Dilma contra ou a favor do aborto?

A candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, ficou reunida por cerca de duas horas e meia com 27 representantes de denominações de igrejas evangélicas e lideranças da Igreja Católica nesta quarta-feira(29/09).

O objetivo da coordenação da campanha de Dilma era combater boatos na internet ofensivos à fé cristã e supostamente atribuídos à candidata. Ela se declarou católica, defendeu os valores da vida e disse que pessoalmente era contra o aborto.

Dilma também se posicionou contra um plebiscito para decidir o assunto, no que foi aplaudida.

Isso aí acima, foi o que aconteceu na reunião. Mas não foi bem isto que ela deu a entender na entrevista que gerou a polêmica .

Não ouvi nenhuma vez ela dizer na entrevista: “Sou contra o aborto”, e não acredito que seja possível ter uma opinião pessoal sobre um assunto, e encabeçar o governo de um país cujo partido apóia outra.

É domingo! Está em suas mãos eleitor.

E aí vai um bônus sobre meio ambiente:


Durante o encontro promovido pela ONU para debater as “mudanças climáticas”, realizado em Compenhague, a ministra Dilma Roussef identificou o que, na visão dela, ameaça o desenvolvimento sustentável.

E sobre os outros cargos… não reeleja ninguém.

Política não é profissão.

Comente.

Supercomentado.

E agora José, Dilma e Marina..?

Em tempos de andar sem lenço e nem documento, uma revolta toma conta dos brasileiros junto ao desejo de mudança. Este texto do meu colega Beto Schumann (Vitrola) me deixou um pouco mais revoltado com a falta de poder do povo que teóricamente escolhe aqueles que vão tomar conta dos três poderes.

Ao encontrar o seu candidato antes das eleições, se possível, tenha um diálogo aberto com ele. Como este que segue:

Você: Olá meu [literalmente] caro político [seja qual for o cargo]! Tudo bem?

Ele: [te dá um tapinha nas costas] Tudo bem, e com você?

Você: Olha, não dá pra dizer que tá tudo bem, mas a gente vai lutando.

Ele: É por isso que eu amo o povo brasileiro, um povo guerreiro!

Você: Falando em guerreiro, eu tenho travado uma guerra dentro de mim, por um lado penso que se a gente votar nas pessoas certas, as coisas vão mudar e eu vou poder dizer que está tudo bem. Por outro lado, eu tenho a impressão de que isso nunca vai mudar se depender apenas de “voto certo” e fico tentando encontrar uma solução para o problema.

Ele: Mas de que problema você está falando?

Você: Bom, acompanhe meu raciocínio… O salário de um senador é de R$16 mil, têm muitas pessoas que levam um ano ou mais, pra receber isso. Um salário de R$6 mil já seria ótimo! Mas não é só isso que ele recebe, recebe também R$15 mil de verba indenizatória, sendo que com bem menos que isso já seria possível cobrir suas despesas, jogando alto, uns R$8 mil seriam suficientes. Além disso, ele recebe [não é uma piada] auxílio moradia, de R$3,5 mil. Eu pago 1 salário mínimo de aluguel, e considero que minha casa tem ótimas condições de moradia, aí eu fico pensando em uma casa que custa R$3,5 mil de aluguel. Será que é necessário? Com R$1,5 mil já daria pra alugar uma casa bem confortável! E não para por aí, o senador eleito tem direito a um carro [não só para uso em trabalho] e a 25 litros de combustível por dia. Eu me controlo pra não gastar mais de R$5,00 por dia, e entendo que um senador deve usar o carro, muito mais do que eu, mas supondo que o carro do senador faça 8km por litro, ele vai poder rodar, por dia, 200km. Na minha modesta opinião, 15 litros seriam suficientes.

Ele: Mas você precisa entender que esses senadores têm trabalhado arduamente pelo bem do povo, pelo meu e pelo seu bem. Sempre lutando pelas causas dos mais necessitados.

Você: Pois é, pena que isso é tão difícil de perceber. Mas quero continuar com o raciocínio… Eu falava dos custos, para o povo, de manter um senador, agora quero falar dos deputados federais. Vou resumir as coisas

Salário: R$12,8 mil [convenhamos que R$6 mil é um ótimo salário! Verba indenizatória: R$15 mil [R$8 mil resolveria o problema] Auxílio moradia: R$3 mil [R$1,5 mil é ótimo] Verba de gabinete: R$50 mil [R$30 mil já seria exorbitante] Telefone e postagens: R$4 mil [pra gastar isso, tem que ficar muito tempo no telefone, R$2 mil estaria de ótimo tamanho!] Cota para cobrir passagens aéreas, de R$6 mil a R$16 mil [tá, deixe que voem].

Ele: Mas esses deputados estão constantemente trabalhando pelo povo!

Você: Eu imagino, se precisam falar tanto ao telefone, e andar tanto de carro, e de avião, fico pensando… Sobra tempo pra que eles trabalhem no gabinete deles?

Ele: Pois é, eles trabalham muito, e enquanto não estão no gabinete, têm pessoas que trabalham por eles, também.

Você: Funcionários fantas… aliás, de confiança deles, certo?

Ele: Isso mesmo!

Você: Bom, além dos federais, existem também os deputados estaduais, que são bem mais numerosos que os federais. O salário deles é, em média, de R$16 mil [R$6 mil seria excelente] Verba de gabinete: R$27 mil [R$10 mil é de bom tamanho] Contratação de acessores: R$30 mil [pra contratar 5 acessores? R$20 mil tá ótimo!] Aluguel de veículos: R$7,5 mil [com um salário desses? Que financie um carro, como a maioria dos brasileiros faz!]. Meu caro [tanto faz] político, andei fazendo contas e percebí que a coisa está fora do eixo. Se eu somar os valores que penso que estão sobrando nos ganhos desses políticos, a situação seria essa:
Sobra por senador: R$19.026,00
Sobra por dep. fed.: R$37.300,00
Sobra por dep. est.: R$37.000,00

Considerando que temos 81 senadores no país, sobrariam R$1.541.106,00 por MÊS!
O número de deputados federais é de 513, sobrariam R$19.134.900,00 por MÊS!
São 1.051 deputados estaduais espalhados por aí, sobrariam R$38.887.000,00 por MÊS!
Somando os valores dos três, chegamos a uma quantia de R$59.563.006,00 por MÊS!

Agora eu vou somar os políticos citados e dividir esse resultado entre eles, sem distinção de cargo ou função, pra ver quanto cada um receberia por mês. R$59.563.006,00/1.645 = R$36.208,50 E esses valores são apenas o que eu julguei que estava sobrando!

Em vista desses números, quero lhe fazer duas perguntas:

Primeira: O senhor acha justo, em um país onde existem pessoas que morrem nas portas dos hospitais, porque não têm dinheiro para pagar um plano de saúde decente. Num país onde crianças enveredam pelo mundo das drogas e da criminalidade porque não tem uma educação de qualidade. Num país onde a segurança pública chega a ser motivo de piada. Onde as estradas que deveriam ser conservadas, com o dinheiro do povo, estão em condições tão precárias que chegam a contribuir para o aumento do número de acidentes. Onde os idosos sofrem esperando o dinheiro da aposentadoria, que mal chega para comprar os remédios que eles precisam. O senhor acha justo que um político, que deveria trabalhar para que essas coisas não acontecessem, receba tanto assim?! Responda de coração, o senhor acha justo?
Segunda: O que o senhor pode fazer, efetivamente, para que isso mude? Se o senhor puder apresentar uma solução [e não uma explicação] convincente, ainda antes das eleições, meu voto é seu!

Ele: Você não tá precisando de uma dentadura, um pacote de farinha, uma cesta básica…?

Essa é a minha sugestão de perguntas pra se fazer a um político que venha com aquele jeito meloso e nojento, como se realmente se importasse com você, pedindo o seu voto, pra mudar a história da sua cidade, seu estado ou seu país. Chega de tratá-los como os queridinhos, eles não são.

Beto Schumann.

Supercomentado.

A cada quatro anos…

A cada quatro anos nossas esperanças se renovam. O sonho se repete, e uma onda de motivação invade os corações dos brasileiros que gritam o nome daqueles que podem nos trazer alegria instantâneamente com apenas uma ação, um movimento que atinja o alvo.

A cada quatro anos, os suspiros no peito dos brasileiros vão mais fundo para segurar o grito que diz aos quatro cantos do mundo: conseguimos! Somos brasileiros!

A cada quatro anos, depositamos nossa esperança e confiança em um time que tem a responsabilidade de representar uma nação, perante a própria pátria e ao resto do mundo.

A cada quatro anos, sentimos um frio na espinha a cada lance, a cada passo, a cada jogada… futebol também é bom, mas a cada quatro anos, no Brasil tem eleições, e é disso que estou falando.

Dia “seleção” de 3 de outubro o técnico é você. Escolha bem seus jogadores. Vote consciente.

Gostou? Comente.

Supercomentado.