Marechal X Foz com a Princesa dos Campos

Como já fiz centenas de vezes, saí de Marechal Cândido Rondon pela manhã de sábado e fui para Foz do Iguaçu. Numa busca no Google Maps descobri que a distância era de 176 km e poderia ser percorrida em aproximadamente 2 horas 36 minutos. Mas eu iria de ônibus, mais especificamente o Metropolitano da Princesa dos Campos, e sabia que o tempo de viagem iria quase dobrar (4h:35min), precisaria trocar de ônibus na metade do caminho, viajaria o tempo todo em pé ouvindo as músicas sertanejas tocadas pelo “cobrador DJ”, aturando o povo que come pastel, baconzitos e semelhantes assim que entra no ônibus (efeito fome súbita) e claro ouvindo histórias extremamente interessantes sobre bailes do cara que tá sentado na outra ponta do ônibus.

O baconzitos, pastel, cobrador DJ e os papos dos bailes dá pra aguentar, mas ir até Foz de pé é o fim da rosca! Esse ônibus pára mais que Aluno de autoescola em dia de chuva!

Tá na hora da empresa verdinha começar a respeitar o povo da costa oeste paranaense. É muito simples:  se vai tanta gente até o fim da linha (Foz), porque não há uma linha que vá até o fim direto?

O Art. 39 do Regulamento do Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado do Paraná diz o seguinte:

Nos serviços de transporte coletivo rodoviário intermunicipal de passageiros outorgados pelo DER/PR, não será permitido o transporte de passageiros em pé quando o veículo estiver lotado, exceto no caso previsto no artigo 44 deste regulamento.

E o Art. 44:

A lotação admitida será a capacidade normal do veículo, mais 5,0 passageiros por metro quadrado do espaço da área livre do veículo.

Mas na prática não sobra 5cm² para cada passageiro que fica em pé, pois além da superlotação de gente, as bagagens espalhadas pelo chão tomam conta do que sobra.

O lado bom é que você não precisa se segurar quando o ônibus está bem lotado, pois não tem onde cair.

Se você também está indignado com o descaso dos “duendes”, entre em contato com a ANTT e conte sua história. Ou ligue para o 0800-610300 e faça uma fofoca caprichada, quem sabe resolve alguma coisa.

Ah, e se viveu alguma experiência inusitada (todas são) no metropolitano, deixe um supercomentário.

Supercomentado!